O cume e a parede da sala

Há uns 8 anos subi o primeiro morro. Foi lindo e desafiador! Caminhada na mata nativa, cheiro de terra, barulho dos pássaros, rochas com grampos, subida sem fim! O cansaço não me paralisou, o coração acelerava como em qualquer exercício que se exige um pouco mais. Mas o medo altura, esse fica até difícil descrever!

Chegando ao cume, jurei que não desceria pelo mesmo lugar – tamanho era o medo de passar novamente no mesmo trajeto. Acabei, claro, tendo que voltar com o grupo exatamente pelo mesmo caminho. Que desespero! Aquilo não tinha graça.

Depois desse dia, demorei um bom tempo para subir outra montanha. Afinal, meu medo me dizia que se não morri nessa, poderia ser na próxima (haha…) – dramático e engraçado, mas uma sensação real na época.

O que não contei dessa primeira aventura é que ao chegar ao cume, o tempo fechou de vez. A paisagem era um fundo branco como a parede de uma sala qualquer. E não vi absolutamente nada! A foto, em um fundo branco, não traduzia uma grande conquista.

(Por isso, a capa é meramente ilustrativa. Uma conquista posterior e escolhida para não desmotivar vocês! rs…).  

Vista do Pico Caratuva. Ao fundo o Pico Paraná, montanha mais alta do Sul do Brasil, quase encoberta pelas nuvens. Mudanças naturais do tempo cobrem rapidamente a paisagem!

A vista branca poderia até ser apática, mas a sensação não. O vento, a brisa, a sensação de liberdade, de medo, de superação! Superação esta, que virou paixão anos depois! É no topo da montanha que tudo parece realmente distante, mas que por ironia, posso alcançar com meus próprios pés. É onde se ouve o barulho do vento, da respiração, da tranquilidade. É onde toda aquela imensidão generosamente nos faz sentir grandes também – e diminui com gentileza o peso dos nossas inquietações.

O cume ainda é um dos lugares que mais sinto vontade de estar. E foi vendo a tal “parede da sala” naquela primeira aventura que tive um ensinamento pra vida.

Naquele dia aprendi a curtir cada passo da subida, porque qualquer expectativa é em vão. Aprendi que quando o dia nos presenteia com a vista clara e ampla do horizonte, nos resta agradecer! E se não der, tudo bem, podemos voltar outro dia e tentar de novo.

Afinal, em uma foto,  a parede da sala pode até substituir o cume de uma montanha, mas nunca vai dar a sensação que o caminho até ele te traz! 

 

PS: valeu a pena subir outras tantas vezes, nunca mais tirei a foto de uma parede branca! rs…. 

 

Últimas do Blog

O cume e a parede da sala

Há uns 8 anos subi o primeiro morro. Foi lindo e desafiador! Caminhada na mata nativa, cheiro de terra, barulho […]

Continue lendo

O que todos os anos de estudo dizem sobre mim? Sou artesã.

Reparo nos papéis agora jogados no chão. Minha letra não é a única coisa que mudou. O conteúdo das pilhas […]

Continue lendo

E daqui a 40 anos?

  Semana passada tive o privilégio de conhecer um comerciante que estava trabalhando há 40 anos não só no mesmo […]

Continue lendo